quarta-feira, setembro 06, 2006

Patos e Parentes

PATOS E PARENTES - Lázaro Barreto.

Este texto, não incluído no da conferência sob o título “O Mergulho e o Vôo em Pedro Nava”, apresentado no congresso Universitário FUNEDI-UEMG em 22/11/03, não menciona as páginas e os volumes da obra do Nava porque tem aqui o caráter mais elástico de pesquisa informal (mas as partes aspeadas são transcrições diretas). Eis alguns dados sobre os nefandos e os venerandos parentes do Pedro, que aliás são como os parentes de todo mundo.
- O sogro que não gostava do genro. Mandou fabricar dois mil grandes penicos, cada um tendo ao fundo o retrato do genro em vestes talares de verde, negro e ouro. Os quais foram distribuídos à população.
- A avó Maria Luiza foi uma mãe admirável, sogra execrável, sinhá odiosa para as escravas e crias, amiga perfeita de poucas pessoas, inimiga não menos perfeita de muitas e corajosa como um homem. Era de boca insolente e de bofetada fácil. Te quebro a boca, negra. E quebrava. Os genros rebelados iam para o index dela, despótico e feroz. “O que aborreço dessa avó é a lembrança nunca apagada de tê-la visto espancando a escrava Deolinda e esfregando suas costas aleijadas com uma vara de marmelo”.
- O tio que gostava de fazer o sobrinho rolar escadas, só para se divertir. Quando cresceu e botou corpo é que pôde reagir e ameaçou de morte aquele demônio que já lhe quebrara duas vezes o braço. Só assim cessaram os calça-pés e tombos degraus abaixo.
- O primo nefando: “pegava duma galinha, enfiava a torneira do tanque pelo traseiro da mesma, e saboreava, num instante, a aflição aérea do bicho engastalhado. Logo abria o poderoso jato. Ou a penosa estava bem empalada e nesse caso estourava por dentro, ou estava mal segura e era projetada pelo esguicho, num fundo de cimento”.
- “Os forrobodós de minha família tinham isso de simpático: era como se fossem partidas de truco – bem gritadas e bem xingadas. Quando se esperava bala e morte, vinham só estouros de festim”,
“Nunca minha mãe abriu o bico, jamais fez a menor censura às omissões e passagens para trás que sofrera dos pais e das irmãs”.
- “A Cotinha namoradeira dava bola para todo homem que para ela era sempre lindo. Era a pilhéria dos sobrinhos e desesperava a Tia Eugênia...( ) Suas últimas palavras, quando acabava de ser administrada (a extrema unção) por sacerdote moço e bonito, não foram de contrição. Olhou longamente o reverendo, virou-se para as Fragoso e declarou num fio de voz que com padre lindo assim ia até para o inferno. Disse e expirou”.
- Reprovado em Química no primeiro ano do Curso de Medicina, a família recebeu a visita da Tia Mariquinhas, que mal falou com ele e foi direta ao assunto com a mãe dele. Disse que ela não podia se sacrificar daquele modo, “que devia me tirar da Faculdade e que tinha de me botar no Comércio”.
- Mas no meio de tantas primas cândidas e dóceis e doces, tantos primos matreiros e venais, tantos tios direitos e tortos, tias condoídas e invejosas, no meio de tanta ruindade, ingratidão e desfaçatez, pontificava a magnânima, a Santa Dona e Mãe Diva, primeira funcionária pública do Governo de Minas, que “para tudo era a competência personificada. Tratava as doenças dos filhos como se fosse médico-enfermeira, e tricotava, fazia crochê, frivolité, bordado e costurava como se fosse profissional em cada uma dessas prendas”. Era da cozinha à sala e aí fazia nascer as graças da antiga Sinhá Pequena da Rua Direita de Juiz de Fora (quando eram ricos), tocando velhas cavatinas no bandolim, pontinhas de clássico ao piano, o tango argentino e todo o Ernesto Nazaré e o repertório romântico das serenatas mineiras à lua cheia. “E cantava e cantava. E tinha a vasta sabedoria dos anexins, ditos, rifões, provérbios, brocardos e frases-feitas. E contava os casos, descrevendo e narrando e falava de panos e roupas, de seus tempos de menina, de escravidão, de assombração, dos piqueniques, das enchentes, de todas as neves de antanho...”. A mãe por excelência, no reconhecimento do próprio filho. A leitura da obra completa dele não só vale a pena, como é uma imensa gratificação. Uma verdadeira reconquista do tempo perdido à moda de Proust, em outro tempo e em outro cenário.

1 Comments:

Blogger Wania said...

Maravilha! Que delícia ler um texto fluente que nos conduz aos lugares certos de nosso passado. Parabéns

1:25 AM  

Postar um comentário

<< Home