quarta-feira, abril 14, 2010

PERGUNTAS AUTOMÁTICAS - Lázaro Barreto.


Recordar o ingrato tempo da infância,
da adolescência e da juventude
é repetir o doloroso exercício
de um obtuso, maquinal masoquismo?

O que vem de longe, crescendo em vídeo,
é o purgante depois da indigestão?
Os dias cansativos do horror paulatino
estão agora recobertos de asco e ogeriza?

Por que o estigma no reviver de desditas?
Não já paguei ao destino até o que não devia?
Por que me ocorre agora este soneto de obviedades?

Sou e serei o que sempre fui, irremediavelmente?
O signo de VÍTIMA bem estampado na fronte?
O choro reprimido latejando interiormente?