quinta-feira, setembro 20, 2012

ESTRATÉGIAS DA REPRESENTAÇÃO (Mensagem aberta ao crítico literário Mauricio José de Faria, que brindou-me com o livro inédito de titulo em epígrafe, a respeito de meu livro “Aço Frio de Um Punhal"

É a primeira vez que me sinto diante de um espelho sem me ver feio ou paupérrimo, mas sim bem perfilado e lúcido a ponto de reconhecer não o reflexo deformado de certos enfoques apressados ou biliosos, mas sim a nítida transparência de um close retocado e enquadrado nos ângulos criteriosamente estudados.

Uma análise que valoriza o objeto em pauta ao refundir sua concepção e quase recriá-lo no calor da releitura. E de repente o que estava no esquecimento (morto e sepultado?) abre os olhos, airosamente, levanta das páginas como que em novas impressões, ainda a esfregar os olhos e espreguiçando, mas já refeito e apto a encetar novas ações e imaginações.

A necessidade do crítico na literatura reside justamente aí, no afã da incursão e da iluminação do cenário da obra, agora visto de tão perto a ponto de se ouvir o balbuciar e o fluir (penosos ou não, contrafeitos ou não) de sua respiração, como se o crivo da crítica estivesse reescrevendo a obra ao escrever involuntariamente outra obra do mesmo gênero em prosa ou verso que pode ser até melhor do que o da referência.

É o que faz Maurício José de Faria no belo ensaio a respeito de meu “Aço Frio de Um Punhal” (Editora Guanabara, RJ, esgotado). A escritura dele afina tão bem com a leitura empreendida que a correlação escritor\leitor se evidencia a ponto de suprimir a distância geralmente existente nas obras predominantemente acadêmicas, que não é o caso desta.

Tudo acontecendo como se o leitor estivesse escrevendo? Folgo muito de ter em mãos um trabalho de fôlego que é também leve e profundo, arguto e fluente, legível e erudito. Fico muito feliz em merecer (?) o primeiro fruto de uma prospecção apresentada com tanta expressividade, augurando desde já, que persevere no avançamento de um caminho repleto de desníveis e saliências, que leva à paisagem da beleza cognitiva: é só firmar o olhar na caminhada que logo defrontará as esferas e os quadrantes, os campos e as matas, o oxigênio e a orquídea desafiando e aguardando quem deliberadamente aceita o pacto da impregnação eletiva, tácita e espontânea osmose.

Fico feliz em prognosticar que meu livro vai encabeçar uma audaz e numerosa bibliografia do escritor Maurício José de Faria. É desejável e necessário que toda essa gama de potencialidade supere o rol das dificuldades editoriais e possa enfaticamente ascender ao primeiro plano do palco, atualmente tão desfalcado, da crítica da crítica literária brasileira.

O domínio da linguagem, as propensões da argúcia e da escritabilidade legível estão mais que demonstradas e agora é clicar e mover os mecanismos.

E quem sabe ele já não está aí no seu canto de silêncio programado e exercitando os novos trabalhos que preencherão tantas lacunas, desfazendo tantas obscuridades, e que completarão tanto iluminamento numa área literária necessitada de acordar porque o sol já vai indo alto no céu e as pessoas na vida continuam a perder seus bens e dons por falta justamente de quem perfaça o encontro desses bens de um modo mais inteligente e legível?

A leitura do presente ensaio foi entrecortada de airosas e pungentes emoções, porque virava e mexia eu estava lá nos contos, a escrevê-los novamente. E mesmo absorvido no arranjo vocabular do ensaísta, agudamente esculpido no cerne da edificação crítica, eu recobrava outras absorções, principalmente a de que ali se falava de algo meu e não apenas do que me entretinha.

Como o retrato na parede que tanto doía no Drummond. A leitura do texto dele transigia de um ânimo a outro, de um perdido para um recuperado em novas cores e tons, agora distinguindo e aglutinando o que é momentâneo e permanente na vida.

A embaraçosa sensação de se estar ouvindo falar de si de uma forma distante e inesperada, mas tão calorosa, como se estivesse acordando de uma divagação, a se interrogar sobre o que fez, o que disse, a recobrar o ânimo, tal como a folha que se julgava morta e que agora, mesmo arrancada, é novamente ungida de luz e do calor de um velho coração abatido, porém vivaz.

É assim que humildemente ao fim da leitura, bato no peito para tentar saber por que acabo de merecer tanta distinção.