sábado, junho 13, 2009




A JUVENTUDE E A CULTURA - Lázaro Barreto.


Pela pesquisa genealógica que publiquei no livro “Família Oliveira Barreto”, constatei que a Mayra Belém é, além de sobrinha de minha esposa Inês Belém Barreto, pelo lado materno, é minha prima pelo lado paterno. Sua ascendência até a décima geração paterna é a seguinte:

Filha de Orlando Tavares de Brito e de Lúcia Belém; neta de Isaura Tavares e Artur Brito; bisneta de Geraldo José Tavares e Maria Luiza Melo; trineta de Esmeraldina (Dona Naná) Cândida Tavares e José Pedro Tavares (Zequinha Tavares); tetraneta de Necésio José de Oliveira Barreto e Joaquina Rosa de São José; sexta geração: Antônio José de Oliveira Barreto e Maria Arcângela Tavares; sétima geração: Bernardo José de Oliveira Barreto e Josepha Maria de Jesus; oitava geração: Antônio José de Oliveira Barreto e Anna Joaquina Cândida de Castro; nona geração: Faustino José de Castro e Rosa Angélica da Luz; décima geração: portugueses que não vieram para o Brasil.

Mayra: moça prendada e instruída (curso superior e de pós-graduação) em Comunicação e Publicidade. É, também, dotada de predicados artísticos e intelectuais, sendo atriz inata e cantora idem, com aplaudidas atuações nos palcos da cidade. Conhecendo-a tão bem em família, só agora soube de seu pendor e talento literários. Sabia de seu amor à leitura e escritura de bons textos, mas só agora obtive a prova
de sua capacidade de transformar em poema a poesia de tantos instantes da vida. A prova é o poema que transcrevo abaixo, o primeiro que ela leva a público, através de meu blog (http://www.lazarobarreto.blogspot.com). Seu título é:

ALTERIDADE - Mayra Belém.

Alma virgem no campo dos sentimentos,
toma para si o que é impossível negar.
Abra o coração para a intimidade essencial.
Cubra-se do manto da eternidade.
Mas revela-se para o amor profano.
Expulsa-o do seu íntimo.
Reconhecendo-se dono da própria existência.
Há um momento de entrega total
que só se reconhece no olhar
e nas atitudes gratuitas.
Distante, bem distante de inverdades e fraquezas humanas
a vida está inteiramente desvairada pela racionalidade necessária.
Cumpra-se.
Compartilhe-se.
Descubra-se no propósito de outrem.
A felicidade é esta.
Desprovida de segredos aleatórios....

2 Comments:

Anonymous livialves said...

Parabéns Lázaro, pela sobrinha e prima... que privilégio heim?!!
Mayra é uma pessoa realemente muito especial e cheia de virtudes. Estimule-a a produzir mais poemas como este, é um grande prazer como amiga e afilhada desta moça tão prendada ver suas obras reconhecidas.
Abraços
Lívia

9:11 AM  
Blogger Fernando said...

Quero o poema completo se houver mais alguma parte, se não gostaria de ler os próximos que virão no meu e-mail: sousa.mecanica@gmail.com
Adoro essa menina (sumida) e adorei também o poema.
Abraço
Fernando (Senai)

11:15 PM  

Postar um comentário

<< Home