terça-feira, junho 28, 2011

NOVOS POEMAS DE LÁZARO BARRETO.


l - Sonho e Realidade.

Sonho ou realidade?
Ela veio com toda a sua pessoa
(uma braçada de flores humanas?).
Seu corpo:
lábios seios axilas umbigo virilhas
coxas nádegas – e os paraísos adicionais.
Ela veio com todas as magnitudes
de sua pessoa (íntima e pública).
Sua alma:
o brilho excessivo do olhar encantador,
o sorriso iluminado-iluminador.
Todo o fulgor da saúde mental!
Veio com os abraços e beijos.
Veio sorrindo,
oferecendo-se (implicitamente? Explicitamente?).
E eu
em mim mesmo
fiquei um pouco fora mim..


2 - Momento Inesperado.

A lucidez vai mentalizando os tipos caligráficos
nas obscuridades momentâneas,
noite adentro,
avivando o crepitar de fogos e meiguices
das lembranças e previsões.

Assim
a artimanha das vocações
empilha os versos (multiplicados na reticência)
na boa intenção de erigir o poema
da instantaneidade repetitiva,
que vem de um frio distanciado,
para esquentar a interrupção do sono
na lucidez povoada de vocábulos realizadores
da fantasia momentânea.


3 - O Melhor da Vida?

O que há de bom e de melhor na sexualidade
é a reciprocidade:
eu amo, você ama, nós nos amamos
ao mesmo tempo em todo o tempo.
O que há de inolvidável em todo o decorrer
é a sensualidade:
o primor das virtudes pessoais,
o realce de uma certa transcendência
na libido.
Na libido.
Assim vamos e voltamos da vida à morte,
da morte à vida...
Chorando de alegria
no aprumar de nossas faculdades mentais
e físicas.
É o amor do amor na arte de amar,
é o corpo da alma no corpo,
a chamada animosidade:
um fogo que é luz,
uma luz que é fogo.