sexta-feira, maio 26, 2006

Humano, Muito Humano

HUMANO, MUITO HUMANO - Lázaro Barreto.


1 – Monteiro Lobato.
Escritor, editor, tradutor, empresário e adido cultural do Brasil nos Estados Unidos, esteve preso durante o Estado Novo – e quando readquiriu a liberdade mandou uma caixa de bombons ao general que o trancafiara, com os agradecimentos pela estadia na cadeia, por isso foi novamente preso. Grande figura humana do pró e do contra, que sempre desempenhou importante papel na vida nacional. “Estou curioso por verificar, pessoalmente, se a morte é vírgula, ponto e vírgula ou ponto final”, ele escreveu num de seus melhores momentos criativos, antes de integrar-se ao espiritismo e depois de perder dois filhos (mortos prematuramente por tuberculose).

Em “Cidades Mortas”, livro escrito no início da Primeira Grande Guerra, ele associava as queimadas anuais da Serra da Mantiqueira à sanha incendiária das aldeias européias: “os “vons” incendiários alemães eram idênticos a meia-dúzia de neros de pés no chão daqui”. “O nosso progresso é nômade e sujeito a paralisias súbitas. Progresso de cigano, vive acampado. Emigra, deixando atrás de si um rastilho de taperas”- até parece que ele se refere aos dias de hoje.

Marco Antônio Villa escreve que ele “escreveu, polemizou, combateu, foi preso, mas nunca adulou o poder, algo raríssimo entre os nossos intelectuais”. O Brasil da época, para ele, era um “pântano com40 milhões de rãs coaxantes, uma a botar a culpa na outra do mal-estar que sentiam”. radical na indignação, chegou a escrever que “O Exército e a Marinha e todas as criações do Estado só existem para justificar a extorsão de impostos e a manutenção de um bando imenso de parasitas”. Outra tirada de mestre dele: “comparo os homens a bichos de goiaba: a pátria é a goiaba – e quanto mais podre, melhor”.

2 – A Ordem Franciscana..
O livro SÃO FRANCISCO DE ASSIS E A MORAL CRISTÃ não é hermético nem obscuro nem simplista: foi escrito para ser lido aos poucos, dedilhando suas linhas, como a de um livro de poesia e de filosofia.É uma obra sólida, uma fonte, e não a papelada descartável que em os nossos dias entopem e emporcalham as próprias fontes. Sabemos que todas as épocas da História são movimentadas em seus acontecimentos e na dramatização de seus problemas. Já em seu tempo Francisco ouvia a voz de Cristo, dita séculos antes: “Vai e restaura minha casa”. Para Bernardino essa restauração tem dois alicerces práticos: assumir em seu universo humano os marginalizados, como seus irmãos mínimos, e assumir a terra como material de construção do Reino de Deus. Ainda hoje Deus está a dizer aos franciscanos: Vai, restaura minha casa, que está, mais uma vez, em péssimas condições de conservação.

O mundo de hoje carece do discurso e da exemplaridade franciscanos. Vivemos sob a influência e o jugo da mídia, que nada mais faz do que pesquisar e criar angustiosas expectativas e falsas necessidades, transformando o ser humano em mero consumidor de materiais insalubres, insossos e descartáveis. A volúpia dos lançamentos na chamada economia de mercado (é este o nome da nova sociedade humana?) é tão pródiga que cada novo produto mais parece o complemento de um e o precedente de outro. E é assim que a natureza é cada vez mais castigada em suas águas e matas e serras, pois a máquina da civilização, diuturnamente ocupada na fabricação do supérfluo (eufemismo do lixo), não pode parar. E é assim que o homem de hoje produz vinte, trinta vezes mais lixo do que o homem primitivo – o que vale dizer que massacra a natureza numa proporção muito maior.

Sabemos, através de Frei Bernardino, que todo o tempo que a desordem prepondera, a Ordem Franciscana se faz mais necessária para substituir a Babilônia por Jerusalém, ou seja, a licenciosidade pelo estoicismo, o culto da mentira pelo amor da verdade. É preciso, pois, contrapor a exemplaridade franciscana à atual cultura do desperdício, vir com a parcimônia franciscana para defenestrar a carnavalização dos costumes, contrapor o desacato da corrupção (que se institucionaliza) aos brios da dignidade que brilha nos olhos das pessoas de mãos limpas e de corações imaculados.

3 – A Lição Pai.
E lá uma vez ou outra vem um poema a lembrar-me que ainda estou vivo. Alinho abaixo a pequena homenagem familiar, intitulada “A Lição do Pai”, que acaba de me ocorrer:

Meu pai, quando velho, costumava bater
a cabeça na parede do alpendre
(onde sentava para cabecear, toda tarde),
para contar mentalmente as mulheres que tinha,
até então, amado.

Depois que morreu, o sinal específico
ficou na parede,
a lembrar que ali ele batia a cabeça para dizer
que na vida
as mulheres nasceram para o amora dos homens,
que nasceram para amá-las.

4 – Ecologia É Isso Aí.
Em 1852 o presidente norte-americano queria comprar (comprar e não confiscar) as terras dos índios Duwamish, que tinha um chefe que assim respondeu ao presidente Willard Fillmore: “ O Presidente informa que deseja comprar nossa terra. Mas como é possível comprar ou vender o céu ou a terra? A idéia nos é estranha. Se não possuímos o frescor do ar e a vivacidade da água, como vocês poderão comprá-los? Cada parte desta terra é sagrada para seu povo. Cada arbusto brilhante do pinheiro, cada porção de praia, cada bruma na floresta, cada campina, cada inseto que zune, todos são sagrados na memória e na experiência do meu povo. Conhecemos a seiva que circula nas árvores como conhecemos o sangue que circula em nossas veias. Somos partes de uma terra e ela é parte de nós. As flores perfumadas são nossas irmãs. O urso, o gamo e a grande águia são nossos irmãos. O topo da montanha, o húmus das campinas, o calor do corpo do pônei e do homem pertencem à mesma família. A água brilhante que e move nos rios e riachos não é apenas água, mas o sangue de nossos ancestrais. Cada reflexo espectral nas claras águas dos lagos fala de eventos e memórias na vida do meu povo. O murmúrio da água é a voz do pai do meu pai.

Os rios são nossos irmãos. Eles saciam nossa sede, conduzem nossas canoas e alimentam nossos filhos. Assim, é preciso dedicar aos rios a mesma bondade que se dedicaria a um irmão. Se lhes vendermos nossa terra, lembrem-se de que o ar é precioso para nós, o ar partilha seu espírito com toda vida que ampara.... O vento, que deu ao nosso avô seu primeiro alento, também recebe seu último suspiro. Ensinarão vocês às vossas crianças que a terra é nossa mãe? O que acontece à terra, acontece a todos os filhos da terra.... O que sabemos é isto: a terra não pertence ao homem, o homem é que pertence à terra. Todas as coisas estão ligadas, assim como o sangue nos une a todos.O homem não teceu a rede da vida, é apenas um dos fios dela.O que quer que ele faça à rede o fará a si mesmo. Uma coisa sabemos: nosso deus é também o seu deus. A terra é preciosa para ele e magoá-la é acumular contrariedades sobre o seu criador....O destino de vocês é um mistério para nós.... O que acontecerá quando os cantos da floresta foram ocupados e a vista dos montes for bloqueada? Onde estarão as matas? Sumiram! Onde estará a águia? Desapareceu! Será o fim da vida e o início da sobrevivência.... Estas praias e florestas ainda estão aí? Cuidem delas como as temos cuidado! Amem-nas, como nós as temos amado.Assim como somos parte da terra, vocês também são parte da terra. E nenhum homem, vermelho ou branco, poderá viver apartado dela...”.