sábado, agosto 22, 2009

GRÃOS E PICLES - Lázaro Barreto.


- Um bosque na primavera pode ensinar mais à humanidade sobre o mundo do que todos os sábios da História – como diria Bárbara Pym.

- As pessoas velhas desfrutam de uma vantagem sobre as novas: ficam cada vez mais velhas, enquanto que as novas nunca ficam cada vez mais novas.

- O nojo, acepção mais visceral da repugnância, é perfeitamente aplicável às figuras mais debochadas e corruptas da política brasileira.

- O corpo é bom e belo em seus lineamentos e em suas funções. Contém o sexo e outros encantos e alguns tormentos. Sempre revestido de logicidades e de enigmas. E contém o poder e o dom da sexualidade, um ato de sedutora delicadeza e não um ato de estúpido estupro.

- Conceitos e imagens que precisam chegar ao vocabulário comum das pessoas conscientes do estado físico do mundo em que vivemos. Tais como:
- As mudanças climáticas vão destruir o mundo através de uma praga apocalíptica que eclodirá em 2040, se providências urgentes não forem tomadas.
- Isso em conseqüência do aumento de apenas um grau na temperatura média do planeta em cada cem anos. Se tal proporção se manter a proporcionalidade da temperatura vai aumentar em 2 a 4 graus até 2050. O que vai destruir a camada gelada do planeta, inundando-o de ponta a ponta.
- Para evitar o pior é preciso parar de bombear na atmosfera dióxido de carbono, metano e óxido nitroso, gazes que formam um cobertor sobre o planeta, impedindo que a radiação solar, refletida pela superfície da terra em forma de calor retorne ao espaço sideral. Isso é o tal efeito estufa, maior causador do aumento da temperatura global.

- Um número da revista VEJA de dezembro de 2006 publica sete planos levantados pela classe científica para salvar o planeta:
1 – Trocar o carvão pelo átomo, ou seja, substituir as usinas termoelétricas por usinas nucleares.
2 – Enterrar os gazes tóxicos.
3 – Colocar refletores de calor em órbita.
4 – Colocar um guarda-chuva no espaço.
5 – Espalhar enxofre na atmosfera.
6 – Multiplicar o fitoplâncton (adicionar ferro aos oceanos).
7 – Colocar mais água nas nuvens.

- A Natureza (Deus, segundo Baudelaire) é caprichosa, grandiosa, maravilhosa, uma infinidade de rosas. Dá vida a tudo que nela está umbelicalmente ligado, ou seja, a todos os seres animados por órgãos dinâmicos.. Ela é o ÓRGÃO DINÃMICO por excelência da existência. A terra, a água, o ar, os seres que nadam, andam e voam, além dos que brotam do chão, crescem, florescem e frutificam. Tudo pelo Amor da Beleza e da Saúde.

O ninho do casal de Bentivis bem ao nível da janela da cozinha da casa, numa das pontas de um galho de jabuticabeira. A fêmea choca, deitada, olhando numa direção por assim dizer duplicada (cada olho fitando cada lado na frente de sua visão). Dias e noites, sob sol, sombra e chuva, dias e noites, noites e dias, inamovível, aceitando o movimento das pessoas nas imediações com toda a naturalidade e mansuetude. De vez em quando o macho vem namorá-la e alimentá-la: chega bem perto da amada, que abre o bico da boca e ele, na perícia mais carinhosa, despeja lá dentro o alimento que trouxe não se sabe de onde nem o que seja. Um amor, dois amores (e logo serão mais, com o acréscimo dos filhotes) de criaturas. Deus (a Natureza, segundo Baudelaire), que os abençoem agora e sempre. Amém.

1 Comments:

Blogger JOSÉ ROBERTO BALESTRA said...

Meu grand'amigo Lázaro, como é bom passear por aqui. A gente se diverte e ainda, de quebra, aprende demais. Estive ausente um pouco aqui de sua "pracinha" mas não foi esquecimento não, viu? Adorei sua tiradas aí no post; a da velhice é boa demais.
abs. e ótimo domingo pr'ocê aí nas Minas... aqui tá um frio do ca...scalho.! ahahaha

12:43 AM  

Postar um comentário

<< Home