segunda-feira, agosto 22, 2011

CITAÇÕES ESPONTÃNEAS - Lázaro Barreto.


T. S. Eliot:
“Passos assustados na escada. À luz
do fogo, sob a escova, seus cabelos
eriçavam-se em agulhas flamejantes,
inflamavam-se em palavras. Depois,
em selvagem quietude mergulhavam” (pág. 93).
Em “POESIA” – tradução de Ivan Junqueira, Edit. Nova Fronteira, Rio de Janeiro1981.
Patrícia Melo:
“Era só aparecer uma babá que o homem deixava o trabalho de lado. A babá daquela manhã era horrível, gorda como um armário de parede, e mesmo assim ele estava bem animado. A verdade é que uma mulher pode ser feia, um traste, bunda enorme, pernas cabeludas, cara de macaco, dentes podres, tem sempre um homem disposto a comê-la. Sempre.” Em “Valsa Negra” (pág. 210), Cia. das Letras, São Paulo, SP, 2003.
Tom Wolf:
Baudelaire dizia que na arte já não bastava a abordagem imemorial, clássica e espiritualmente elevada; para captar a beleza da vida moderna, o artista tinha que saber combinar o sublime com o intensamente real, os petits faits vrais do aqui e agora de Stendhal” (pág. 191). Em “Ficar Ou Não Ficar”, trad. de Paulo Reis, Rocco, Rio de Janeiro, 2001.
Petrarca:
“Quantas vezes em vão tentei louvar-te;/ pois permanece a voz dentro do peito./ Que voz pudera ter tão alto efeito?/ É vão o meu esforço, vã minha arte;/ o plectro rude e o pouco nobre engenho/ caem vencidos ao primeiro empenho” (pág. 21). Em “Poemas de Amor de Petrarca”, trad. de Jamil Almansur Haddad, Edit. Ediouro, Rio de Janeiro, 1998.
J.M. Coetzee:
“Como será, ser avô? Como pai não foi muito bem sucedido, apesar de ter tentado com mais afinco que a maioria. Como avô provavelmente ficará abaixo da média também. Faltam-lhe as virtudes dos velhos: serenidade, gentileza, paciência. Mas talvez essas virtudes venham quando outras virtudes se vão: a virtude da paixão, por exemplo. Tenho de dar uma olhada em Victor Hugo de novo, o poeta-avô. Talvez possa aprender alguma coisa” (pág. 244) em “Desonra”, trad. de José Rubens Siqueira – Cia. das Letras, S. Paulo, SP. 2000.
Miguel de Cervantes:
Dos conselhos que deu Dom Quixote a Sancho Pança: “Se alguma mulher formosa te vier pedir justiça, desvia os olhos de suas lágrimas e os ouvidos dos seus soluços, e considera com pausa e substância do que pode, se não queres que se afogue a tua razão no seu pranto e a tua bondade nos seus suspiros” (pág. 479). Em “Dom Quixote de la Mancha”, trad. de Viscondes de Castilho e Azevedo, editor Victor Civita – São Paulo, SP, 1978.
Mário de Andrade:
“ – Mas pra que você mentiu, herói- Não foi por querer não... quis contar o que tinha acontecido pra gente e quando reparei estava mentindo...(pág.70). Em “Macunaíma – O Herói Sem Nenhum Caráter” – Edit. Villa Rica – Belo Horizonte, MG, 1997.
Henry James:
“Maisie parecia receber informações novas com cada sopro de brisa... A sra. Wix a via como uma criaturinha que sabia tantas coisas extraordinárias que, em contraste, o que ela ainda não sabia pareceria ridículo se não fosse constrangedor” (pág. 280). Em “Pelos Olhos de Maisie”, trad. de Paulo Henriques Brito – Edit. Schwarcz – São Paulo, SP, 2010.
Woody Allen:
“...Sentindo-nos sem Deus, o que fizemos foi transformar a tecnologia em Deus. Mas será a tecnologia a verdadeira resposta quando um Buick do ano, estalando de novo, dirigido por um protegido Nat Zipsky, atravessa a vitrine de um “prêt-a-porter da Sears, fazendo com que várias senhoras passassem o resto da vida pulando miudinho?” (pág. 102). Em “Que Loucura!”, trad. de Ruy Castro, Edit. L&PM Pocket – Porto Alegre, RS, 2010.
Elizabeth Travassos:
“Na obra de alguns autores, a gente percebe um não-sei-quê indefinível, um ruim que não é ruim propriamente, é um ruim esquisito pra me utilizar duma frase de Manuel Bandeira. Esse não-sei-quê vago mas geral é uma primeira fatalidade da raça badalando longe” (pág. 98). Em “Os Mandarins Milagrosos”, edit. Jorge Zahar – Funarte – Rio de Janeiro, 1997.