terça-feira, novembro 01, 2011

CITAÇÕES CINEMATOGRÁFICAS (2) - Lázaro Barreto.


JERÔME PRIEUR:
“O cinema torna as pessoas estranhas em suas próprias casas, estupefatas de serem observadoras de suas vidas, de seus anseios e medos, atônitas pelas sensações e as encarnações que nos transpassam, e nos ensinam lentamente a caminhar em terra desconhecida” (pag. 11). “Escolhi um cinema onde, nas fotos, havia mulheres de combinação, e que coxas! Senhores! Pesadas1 Amplas! Precisas! E depois cabeças bonitinhas lá por cima, como desenhadas por contraste, delicadas, frágeis, a lápis, sem retoques a fazer, perfeitas, nem uma só negligência...Tudo o que a vida pode desabrochar de mais perigoso, de verdadeiras imprudências de belezas, essas indiscrições sobre as divinas e profundas harmonias possíveis” (pag. 158). Em “O Expectador Noturno – Os Escritores e o Cinema”. Trad. de Roberto Paulino e Fernanda Borges – Edit. Nova Fronteira –Rio de Janeiro, 1995.

FRANÇOIS TRUFFAUT:
“Ingmar Bergman afirmou: “Todas as mulheres me impressionam: velhas, jovens, altas, baixas, gordas, magras, grosseiras, pesadas, leves, bonitas, atraentes, desengonçadas, vivas ou mortas... O mundo das mulheres é o meu universo. Eu talvez evolua mal dentro dele, mas não há nenhum homem que possa se gabar de fazê-lo inteiramente bem” (pag.280. Em “Os Filmes de Minha Vida” – trad. de Vera Adami, Edit. Nova Fronteira, Rio de Janeiro, 1989.

FRANZ WEYERGANS:
“O filme, em primeiro lugar, é uma história, mas uma história contada com beleza” (pag. 6). “O cenário natural, uma riqueza que Bergman sabe utilizar” (pag. 55). De um terreno baldio pode jorrar uma fonte” (nos filmes de Fellini,pag. 64). “A miséria desprezada tem várias faces e um só rosto” (pag. 178). Em “Tu e o Cinema”, trad. de Ruth Delgado, Edit. Civilização, Porto, Portugal, 1976.

ANTHONY SUMMERS:
Palavras de Anton Tchecov à Marilyn Monroe: “Você é uma jovem mulher que emite vibrações sexuais, não importa o que esteja fazendo ou sentindo. E seus chefes no estúdio estão interessados só nas vibrações sexuais. Agora entendo porque eles se recusam a considerá-la uma atriz. Você é mais valiosa para eles como uma estimuladora do sexo” (pag.80). Em “A Deusa – As Vidas Secretas de Marilyn Monroe”, trad. de Evelyn Kay Massaro – Edit. Best Seller, São Paulo, SP, 1986.

LIV ULLMANN
“Um homem pode ir para um restaurante sozinho, à noite, mas eu não posso fazer o mesmo e evitar:a) críticas; b) oferecimento de companhia masculina na qual não estou interessada; c) causar pena” (pag. 143). Em “Mutações”, trad. de Sônia Coutinho, Edit. Nórdica, Rio de Janeiro, 1978.

J. C. ISMAEL:
“Assim está escrito no Coro de “ANTÍGONA”, de Sófocles: “Muitas coisas grandiosas vivem, mas nada supera o ser humano na majestade”. No entanto, penso que, em arte somente o realismo pode fornecer o retrato o quanto possível aproximado e os caracteres mais nítidos desse animal que se alimenta de transcendentais” (pag. 55). Em “Cinema e Circunstância”, Edit. Buriti, São Paulo, SP, 1965.

JULIETA DE GODÓI LADEIRA:

Transcrição da parte O Espectro de Ray Milland, assinada por Silvio Fiorani: “Não sei, pode ser que eu esteja errado, que venha amanhã a reconsiderar tudo o que estou dizendo agora, não sou uma fortaleza de convicções, mas acho que alguns filmes nos ajudaram a ter sonhos, a aspirar a uma condição para a qual nós parecíamos não estar destinados, nos ajudaram a compreender que, nós também tínhamos sido feitos para brilhar” (pag.48). Em “Memórias de Hollywood”, Vários Autores, Editora Livraria Nobel, São Paulo, SP, 1987.