sexta-feira, junho 09, 2006

A Mente, Dentro e Fora

A MENTE, DENTRO E FORA - Lázaro Barreto.


Mesmo que esteja em apuros de solidão,
na janela do quarto que dá para o muro
e que se contenha nas lágrimas espontâneas
do contemplar e do refletir
em circunstância inapelável,
você ainda tem a mente em perfeito estado
para levantar uma das mãos e enxugar
a lágrima que veio sem ser chamada..
A vida é mesmo assim.
O viver é que encrenca-se aqui e ali
no trabalho no casamento na preocupação
mundial.
A mente é que é ágil, incorpórea,
escapa de qualquer tipo de fechadura,
passa da latitude à altitude à longitude
à atitude
num abrir e fechar de olhos e cataratas.
Ainda bem, ora essa.
Assim que escapole de um dardo, de uma laçada,
alcança uma graça, um abrigo no inconsciente.
Ela existe é para isso mesmo.
Para exprimir e isolar e suprimir,
para driblar as agressões,
para que se acorde ileso do sono tenebroso.
Individual
ela não vai salvar o mundo da baboseira e da barbárie,
mas pode muito bem enxugar a lágrima ocasionada
pelo descuido de si mesma
na atenção que vinda dando aos órgãos e sentidos,
aos tecidos fisiológicos de seu portador,
de seu portador finalmente de ânimo
mais ou menos
apaziguado e pronto para as novas
incursões pecaminosas.