sexta-feira, junho 09, 2006

Um Nome Exemplar

UM NOME EXEMPLAR - Lázaro Barreto.


Pedro Pires Bessa, Professor, Doutor e Pós-Doutor em Literatura Comparada e Teoria Literária.. Lecionou durante 30 anos na Universidade Federal de Juiz de Fora e há 12 anos que leciona aqui, na UEM-Divinópolis. Além das exaustivas tarefas do Magistério, colabora na imprensa, escreve e publica livros, instrui e acompanha alunos em cursos de pós-graduação, e ainda consegue tempo para participar socialmente da vida literária, como pessoa afável e comunicativa que é e como Membro da Academia Divinopolitana de Letras Divinópolis. Entre seus feitos mais brilhantes e proeminentes ressaltam seu empenho na hábil difusão contaminadora dos princípios e fins da cultura e da arte na arte e na cultura do aperfeiçoamento das individualidades humanas no processo de sociabilizarão desse aperfeiçoamento. Desde 1979 que desenvolve o esforço de intercâmbio e aglutinação da cultura hispano-americana com a cultura brasileira, e desse esforço resultou em 1993 o VI Congresso Internacional de Cultura e Literatura Hispano-Americanas, que ele sabiamente organizou e dirigiu, ainda na UFJF. Do qual resultou a publicação do livro (através da UFJF-FAPEMIG) “Integração Latino-Americana”, de quase 500 páginas, contendo na íntegra 147 trabalhos de participantes brasileiros, espanhóis, holandeses, noruegueses, alemães, norte-americanos, porto-riquenhos, mexicanos, argentinos, chilenos, uruguaios e colombianos.

Em 1996, já em Divinópolis, organizou e dirigiu outro Congresso Internacional, versando sobre as peculiaridades das culturas espanhola, portuguesa, brasileira e espano americana, sob os auspícios da FAPEMIG-UEMG, cujo resultado foi também condensado na publicação de um volume de mais de 600 páginas compactas, abrigando textos de 176 autores de quase todas as regiões desses países, além dos da França. Anos depois, em 2003, foi à vez de organizar e dirigir, na FUNEDI-UEMG, o Primeiro Congresso Internacional de Pós-Graduação, Pesquisa e Desenvolvimento Regional novamente com centenas de conferencistas e debatedores com a publicação de um Caderno de Resumos nomes dos autores dos trabalhos apresentados e dos itens temáticos. Tenho a grande satisfação de ter participado dos dois últimos Congressos, no primeiro com o trabalho “Uma Leitura de Guimarães Rosa” (publicado no referido livro e no segundo com o texto “O Vôo e o Mergulho em Pedro Nava”, ainda inédito.

Lançando agora o livro “Literatura em Divinópolis – Em Crônicas”, uma coletânea de textos de mais de 50 autores, ele confirma minha convicção da objetividade de seu despreendimento, de sua expansiva afabilidade como pessoa, como intelectual e como produtor cultural no esforço de integração da mesma faina pródiga e lúcida. E num caso raro de intelectual que se vê na íntima exigência de exercer também a função de produtor cultural - e assim o faz simplesmente pela pureza de sua alma, generosidade de coração, renúncia mental de ostentar títulos de autoria da própria obra, que deixa de criar e divulgar, para incentivar, aplaudir e lançar as obras dos conterrâneos, que jazem na obscuridade editorial de nossos dias tão aziagos. Quem, a ser ele (e em tempos atrás, o saudoso Murilo Rubião, em Belo Horizonte) age assim tão socialmente na esfera cultural, abrindo mão da própria criatividade?

Além de reavivar e relançar autores e publicações do passado, como fez com o nosso AGORA LITERÁRIO e com os poetas e escritores ameaçados de olvido pela voragem dos novos tempos, como Sebastião Milagre, Jadir Vilela, os irmãos Azevedo e tantos outros, ele agora, sem se deter nas revitalizações literárias já conseguidas, vem gravar em belas letras de um novo livro os trabalhos dessa extensiva e revigorante fornada de autores, que de certa forma estavam condenados pelo ineditismo, iluminando-os com o generoso olhar de um intelectual ímpar em nossos dias manchados pelo obscurantismo que prolifera à sombra do fulgor midiatico de uma mediocridade amplamente difundida, que fere os brios da nacionalidade.