quarta-feira, agosto 27, 2008

DUAS SAUDOSAS CANÇÕES E UM POEMA DE CIRCUNSTÃNCIA – Lázaro Barreto.


A primeira, na interpretação de Francisco Alves, o Rei da Voz:

Ái doce amor
minha vida é um eterno sofrer.
Ái doce amor
eu preciso aprender a esquecer.

Tu censuras minha pressa
no fundo tu tens razão.
Quem ama guarda o relógio
e consulta o coração.

Ái doce amor
minha vida é um eterno sofrer.
Ái doce amor
eu preciso aprender a esquecer.

Que dia negro e sombrio
é o dia em que não te vejo.
Mas se vens em noite escura,
vejo o dia no teu beijo.

Ái doce amor.......


A segunda, na interpretação de Silvio Caldas, o Caboclinho Querido:

Ái ai-ái, você de mim não tem dó!
Ái ai-ái, não vês que eu vivo tão só?

Por onde anda o corpo da gente
a sombra vai pelo chão.
Assim também é a saudade,
a sombra do coração.

Ái ai-ái, você de mim não tem dó!
Ái ai-ái, não vês que eu vivo tão só?

A nossa vida não passa
de um grande lago sereno:
Por cima esplendor e graça,
por baixo lodo e veneno.

Ái ai-ái, você de mim não tem dó!...


POEMA DE CIRCUNSTÃNCIA.

A dormir vivo a sonhar dubiedades
a inventar coisas e lugares e pessoas
completamente inexistentes em meus espaços e tempos
conhecidos.
O esquisito é que sou a mesma pessoa
que está em num lugar inexistente.
Não sei como posso ter a capacidade de inventar
pessoas e lugares, ocasiões e situações
descabidas,
fora do contexto de meu ser descontente e razoável.
Sempre no meio das coisas, lugares e pessoas
estranhas às minhas origens, aos meus destinos.
Sempre acordo apavorado
estranhando-me momentaneamente.
Sou acaso portador de um estranho passado,
que se posta adiante, no sono fugaz?
Atônito nas memórias e nas previsões,
custo reconciliar o sono
sem adentrar-me novamente nos lugares inventados.
Toda noite é assim
Todo sono é assim
repleto de sonhos irreais.

1 Comments:

Blogger J. ROBERTO BALESTRA said...

Lindíssimo poema, Lázaro. Realmente o poeta é o eu-seu inexistente que se pega, se toca, resiste, e insiste em inventar coisas, lugares e pessoas inexistentes, mas que no seguido dele, existem sim! Só não tem roupa nem rompas... abs

2:02 PM  

Postar um comentário

<< Home