segunda-feira, setembro 21, 2009



VIAGEM AOS ESTADOS UNIDOS DA AMÉRICA - Lázaro Barreto


I - Casamento em Las Vegas


Ao contrário do que muitas pessoas possam opinar, sair do Brasil e entrar em território estrangeiro não tem nada de estranho nem de anormal. Todo ser humano conscientizado é um cidadão do mundo. Foi assim, mais uma vez predisposto, que viajei com a família |(Inês, Ana Paula e Paulo Henrique), primeiramente pelo interior do Paraguai e da Argentina, depois por vários países da Europa, depois pela belíssima Portugal e agora pelos Estados Unidos da América do Norte. Nada de estranho, como disse, a não ser pela diversidade idiomática, amenizada pela companhia quase poliglota dos filhos, que trabalham em empresas multinacionais e viajam, a trabalho, pelos países de idiomas diferenciados. O fuso horário também complica um pouco, mas é logo assimilado.

Partimos da cidade de São Paulo rumo a Las Vegas, especialmente para festejar o casamento do Paulo com a Layla na Victorian Chapel, cerimônia transmitida ao vivo pelo site www.littlechapel.com – que foi algo insólito para nós e muito agradável.

Aproveitamos a estadia na festiva cidade para conhecer a antiga região das pradarias retratada nos faroestes das pugnas entre os invasores e os aborígenes. É hoje uma magnífica cidade artificial, como a nossa Brasília (que é a cidade dos aborrecimentos, enquanto que Las Vegas é a cidade dos divertimentos, apesar dos infindáveis, diuturnos jogos de azar em salões que são como quarteirões luxuosamente cobertos, espelhando a multidão de curiosos e viciados). Em linhas arquitetônicas gerais a visão citadina reflete uma espécie de decalque etnológico dos estilos consagrados nas partes mais civilizadas do mundo. Os fabulosos investimentos financeiros visam a fruição da excelência conjuntural fartamente engalanada, confirmando a sadia convicção de que o que sai caro no momento da construção torna-se barato depois dos lucrativos resultados.

É assim que o festival das imagens coloridas, diversificadas e metaforicamente dinâmicas, brilha na ocupação de um ar despoluído e amplificado no planalto regional. Ficamos no Hotel Excalibur, (de 3.990 apartamentos amplos, confortáveis e confiáveis), que administra, em seu andar térreo um comprido e largo cassino de jogos de toda espécie - e também a praça de alimentação, com as alas de ida e volta em toda a extensão de uma de suas extremidades, oferecendo, dia e noite, fartamente, os petiscos, frutas, doces e comidas típicas de várias partes do mundo.



Las Vegas é uma festa constante em todos os seus recantos. Desfrutamos dias e noites desse singular embevecimento, incluindo a reprodução de uma Veneza com o céu artificial de cores e nuvens, o pequeno braço do mar com suas gôndolas – e o requintado jantar festivo do enlace matrimonial dos noivos. Visitamos o Museu de Cera Madame Tussaud repleto de imagens vívidas de astros e estrelas do cinema, ases do esporte e figuras históricas da política. Toda gente batendo foto diante das esculturas, abraçando num passe de mágica Elizabeth Taylor, Elvis Presley, Angelina Jolie, Brad Pit, Marilyn Monroe, Frank Sinatra e dezenas de outros semi-deuses da humanidade rotineira.

E assistimos, ainda, o belíssimo espetáculo Crazy Horse (de Paris), um estudo poético e coreográfico do nu artístico, que vem fazendo sucesso nos grandes centros mundiais apreciadores da bela arte do gênio francês. Algo visionário, fruto da imaginação, bem ali diante dos olhos agraciados de centenas de espectadores.




II - Turismo em Nova York



De Las Vegas a Nova York atravessamos o território americano (e um fuso horário de quatro horas) das imediações dos Oceanos Pacífico ao Atlântico. Do aeroporto ao Hotel Belvedere em plena Broadway, fomos, já de noite e (imaginem) numa limousine em forma de táxi. Isso numa terça-feira, quando jantamos num restaurante tailandês. No dia seguinte percorremos o Times Square até o Rockfeller Center, almoçamos na 5th Street e fomos até a belíssima St Patrick Catedral.


Depois chegamos ao Grand Central Terminal, onde entramos no metrô para Bowling Green, sul de Manhattan, onde pegamos um ferryboat para Staten Island, a fim de contemplar de perto a Estátua da Liberdade e o longo e belo visual da Ilha de Manhattan.


Depois seguimos até Chinatown, onde jantamos uma exótica e autêntica combinação (orange chicken - frango agridoce caramelizado e szwan prawns - camarões gigantes apimentados). No retorno passamos por Litlle Italy e vimos o começo da grandiosa festa popular de San Gennaro.

No dia seguinte visitamos o Central Park , imensa área ecologicamente correta, o verdadeiro pulmão da metrópole, onde passamos toda a manhã, deliciando-nos com a pureza do ar, o verdume do arvoredo centenário, a algazarra e trampolinagem dos pássaros e dos esquilos e com o otimista semblante das pessoas de todas as idades. Na volta passamos ao Metropolitan Museum (três andares de um prédio imenso repletos de obras primas da arte escultórica-pictórica eterna e universal. Não conseguimos ver tudo, mas ficamos boquiabertos com o que vimos. O ser humano, em seus excepcionais momentos de criatividade, tem algo de sobre-humano, quase divino. Só não assume esse dom quem não quer.

À noite fomos ao requintado Palace Theatre, no coração da Broadway, para ver e assimilar o dramático lirismo da peça “West Side Story”, de Jerome Robins (que inspirou o filme – clássico dos clássicos – “Amor, Sublime Amor). Sou fanático (quero dizer: mais que um simples fã) pela dupla encenação do teatro e do cinema – e no momento nem disponho de palavras para exprimir o deleite da assimilação de tal espetáculo.

No dia seguinte assistimos no matinê do Longacre Theatre (ainda na Broadway, claro) ver a espetacular representação da capacidade humana de encantar a deus e a todo mundo, intitulada Burn the Floor, uma encenação coreográfica-musical envolvendo 22 exímios artistas (11 de cada sexo), projetando em termos de dança, evolução, vocalização, graça e habilidade, em dois longos atos, os números representativos ( recriações buliçosas, aéreas, tocantes) de samba, rumba, cha cha, valsa vienense, swing, salsa, tango, passo doble – os melhores anjos da graça celestial de uma possível transcendência.

O gigantismo populacional-comercial e institucional de Nova York salta aos olhos sem ferir a harmonia social das vivências individuais. Não se percebe pressa nem stress nas fisionomias das pessoas, nem receios ou desconfianças. Cada pessoa está à vontade no meio da multidão, confirmando a noção de que existe um controle espontâneo e invisível do bom governo, que proporciona a compatibilidade coletiva a favor do bem estar social da individualidade. Creio que a grandeza edificante da cidade provém do farto e corajoso investimento moral e financeiro orientado no bom sentido político (sem desvio de verba pública, sem superfaturamento, sem as manjadas emendas parlamentares). Sabemos que o dinheiro puxa dinheiro e que só é bom e produtivo se esparramado na reunião dos empenhos de valores numa mesma afinidade meticulosamente, cientificamente projetada. O tino administrativo, a reserva financeira, a apropriação científica da tecnologia e a boa receptividade na comunidade: são os elementos propícios à iniciativa, continuação e conclusão dos grandes projetos urbanos, resultando em metrópoles sem estagnação, através das artérias subterrâneas, superficiais e aéreas, dando vazão às idas e vindas da população pedestre e da usuária dos automóveis, ônibus, trens, metrôs, de forma que às vezes uma rua parece possuir três andares: o viaduto para os carros, a superfície para os pedestres e o túnel para os metrôs.

Assim, através da visão, do esforço, do empenho, do interesse e do amor das pessoas (investidores e trabalhadores) nascem as cidades que podem tomar Nova York como modelo, assumindo os problemas e as soluções, as dificuldades que podem transformar-se em facilidades de vivência e de convivência, tudo através da fé na possibilidade de transformar em realidade os objetos dos sonhos (inalcançáveis no desânimo, na desonestidade, na letargia e no pessimismo – e plenamente alcançáveis através do ânimo, do desprendimento, da honestidade, do otimismo e da dignidade).

Assim é a Nova York que tivemos o prazer de ver. Com tanta gente com tanto poder aquisitivo, a rentabilidade fica garantida e o desenvolvimento também. Tudo funciona porque tudo satisfaz às necessidades primárias e superiores das pessoas: trabalho, alimentação, lazer, convivência e transcendência. Para cada carência, uma satisfação, É assim que a tendência da utopia emparelha-se com a do que chamamos de felicidade humana.

2 Comments:

Blogger Ana Barreto Lopaso said...

Pai, muito legal seu texto, praticamente uma reportagem. Vou colocar um comentario no meu twitter. Beijos! Ana

10:37 AM  
Anonymous Marilda said...

Belas fotos e textos de correspondente internacional. Parabéns pelo casamento do filho.

3:00 PM  

Postar um comentário

<< Home