quarta-feira, março 10, 2010

MEU BEM CHEGA HOJE (*) - Lázaro Barreto.

As palavras interrompem meus passos
na caminhada longitudinal da manhã,
ao sentir a imperiosa necessidade de abrir
um poema no coração
e na mente,
para dizer que você (e mais ninguém)
dispensa o próprio corpo
para ser o que é;
dispensa a própria alma,
para ser o meu amor.

Sim e sim, você é
uma paisagem com você dentro,
na qual posso debruçar-me para conhecer
os rios e as montanhas célebres,
que me chamam,
que me chamam
para ocupar o lugar do meu destino
(que falta me faz!).

(*) – Dos poemas de 1966.