segunda-feira, maio 31, 2010

REVIVESCÊNCIAS - Lázaro Barreto.


As lombrigas da infância
que se fixam, inamovíveis nas tripas psico-físicas
de nossa crônica debilidade,
crescem desmesuradamente
ao romper do poente etário de nossa condição
humanamente propensa às chuvas e trovoadas
das vicissitudes acumuladas ao longo dos anos
de contraditórias vivências.

O que fazer agora:
amarrar o animal pelo rabo e esporear?
Deitar na relva empoeirada e procurar o sono
nos meandros nebulosos da atualidade?
Estufar o peito e assumir as repetidas negligências
ao longo de tantas contrafações vivenciais?
Perdoar ou condenar os algozes interiores e exteriores
da abominação inexplicável?
Procurar,
sem desesperar,
o alívio de algum fortuito esquecimento,
ou então
dar tudo por consumado - e comemorar
a vitória da manutenção
na reles sobrevivência,
conseguida, apesar dos pesares,
e dos males resultantes dos próprios pecados?

1 Comments:

Anonymous Lorena said...

Olá senhor Lázaro!! O senhor publicou um livro onde tem a foto do meu avô Geraldo Tavares com a minha avó Raimunda (Fiica), quero saber qual o nome do livro, quero comprar e dar ao meu de presente.
desde já agradeço,

Lorena Oliveira Tavares.

5:32 PM  

Postar um comentário

<< Home