domingo, março 27, 2011

MELHOR ASSIM? - Lázaro Barreto.


Poucos e parcos regalos
(na vida de uma pessoa sensata?).
Muitas renúncias e frustrações
(na vida de uma pessoa afobada?).

Quantos livros e filmes
(sensacionais e pouco badalados)
contaram e recontaram
os idílios extraordinários
(as minhazinhas imagens momentâneas
e definidas e definitivas!)
que a juventude não aproveitou como devia
e podia.
Tantos desvelos frenéticos,
quantos carinhos mentalizados:
tanta felicidade então meramente intuída
(mas de certa forma infimamente vivida?),

que hoje a velhice não desfaz....